Esta é uma mensagem que gostei bastante, um pastor cedeu para ser publicado aqui no blog, espero que seja benção em sua vida.

A definição de culto é: homenagear a divindade, adorar, venerar. Em Êxodo 20:2 a 6, Deus diz ao Seu povo “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima dos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o Senhor, teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem e faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos”. Em Mateus 4:9 e 10, vemos que, Satanás tenta receber adoração de Jesus: “…e lhe disse:Tudo isto te darei se prostrado me adorares. Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele darás culto”. Com base nestes textos tão conhecidos, podemos perceber que o culto é para Deus. Só devemos prestar culto a Ele. Deus deixou isso bem claro, ninguém nos céus, na terra debaixo da terra ou no mar, é digno de adoração. Somente o Senhor é Deus e digno do nosso culto. Ou seja, o culto não é para nós, o culto é para Deus! A adoração não é para nós, é para Deus. Se em nossas reuniões de culto ou em nossas vidas o centro máximo de nossas atenções e adoração forem pessoas ou coisas, estamos sendo idólatras, trocando o Criador pela criatura. Durante uma reunião de culto, podem acontecer pelo menos três focos diferentes:

1- O foco em DeusQuando nossas expectativas estão no Senhor e damos a Ele nossa adoração, Ele é o centro de nossas atenções e o culto é somente para Ele;

2 – O foco nos homensQuando nossas expectativas estão nas pessoas. Somos apenas expectadores, estamos ali para assistir e não para participar do culto. Isso conseqüentemente nos leva a colocar..

3 – O fogo em nós mesmosQuando esperamos que o culto nos agrade. “O centro do culto sou eu e preciso ser bem entretido aqui, tudo tem que estar de acordo com o meu gosto senão eu não volto mais” “Preciso alcançar minha benção”.

        Outro dia até ouvi alguém dizer: “Leio a Bíblia e oro, mas não estou em igreja nenhuma porque não encontrei nenhuma que fosse adequada para mim”. Esta é uma mentalidade totalmente egoísta e absurda. É o que alguém já chamou de auto idolatria, quando a única preocupação do indivíduo é a auto satisfação.

        Não existe lugar para os focos 2° e 3° no Reino de Deus. Não existe lugar para a idolatria, ou para a auto idolatria. Devemos nos lembrar sempre que só ao Senhor devemos adorar. O culto não é para nós, para nosso entretenimento e satisfação, em outras palavras, quem precisa gostar ou não do culto é o Senhor Jesus e não nós. Nosso dever é o de entreter o Senhor.

         Precisamos estar mais preocupados com o coração de Deus, interessados em conhecê-lo e agradá-lo. Precisamos saber o que Ele pensa, o que Ele quer, do que Ele gosta, do que não gosta, qual é a canção que Ele quer ouvir de nós, como Ele quer que nós o adoremos.

 Conhecer o coração de Deus demanda tempo e caminhada diária com Ele. Cultuá-lo não é simplesmente seguir um ritual, mas é dar-lhe algo baseado num relacionamento que temos com Ele. Se eu tenho um bom relacionamento com meu cônjuge, com certeza eu vou saber que tipo de presente vai agradá-lo mais. Jesus disse à mulher samaritana “Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos…” (João 4: 22). De acordo com as palavras de Jesus, não se pode adorar a alguém que não se conhece. Adoração fala de intimidade com Deus.

         Então “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra”. (Oséias 6:3)

   Pastores Geraldo e Rosemary Arias

Anúncios